25 de janeiro de 2014

"ne pars pas avant moi"

feita em 16 de janeiro de 2014.
Tatuei no braço para te ter sempre neles, e quando a dor sufocar olharei intensamente e lembrarei de quem me ensinou a amar, a crescer e a ter sempre educação e correr atrás pra ganhar mais e mais pois só isso salva. Lembrarei daquela que me dava livros para pegar no sono enquanto assistia novela das 9 no outro comodo, e com delicadeza tirava de baixo de mim e deixava-os na cabeceira pra não me machucar quando dormia neles. Lembrarei dos óculos de lentes grossas e de como colocava-os embaixo do travesseiro para pegá-los intactos pela manhã e enxergar onde ficava o achocolatado para prepara-lo para mim. Lembrarei de quem deixou lembranças, de quem criou o amor e me ensinou a disserminá-lo. Lembrarei de quem me ensinou tudo, tudo o que me tornou a mulher que sou, menos a esquecer. Mas como ela mesmo dizia a velha frase clichê "ninguém é perfeito" mas esqueceu de que até na imperfeição o amor se torna belo.
Para eternizar em meu corpo como no coração,
para minha avó.
"Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam.
Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.
E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.
O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido." — Pablo Neruda

Nenhum comentário:

Postar um comentário