30 de dezembro de 2012

suspiro particular do ultimo domingo de 2012.

Poderia escrever o mundo e anular as coisas ruins com palavras sinônimas tornando tal magoa oculta, mas isso seria indigno. Por tanto, esse ano tudo foi valido e nada de escrotice transcrita, sem sermões e nem puxa-saquismo exacerbado, digo que acho que talvez isso tudo seja mesmo um autódromo cujo cada curva precise de uma certa velocidade e o tempo certo de apertar o freio; se acelerarmos demais, saímos da pista e se apertarmos o freio antes, não aproveitamos a curva. Confesso que fiz os dois. Como sempre, errante, desci do "carro" e cheguei a tal linha de chegada a pé; consequentemente grito indignada dentro da minha própria mente: viva intensamente mas com a razão sempre validada, pois mesmo um raio não caindo duas vezes no mesmo lugar, você também não vive sempre estagnada.
E é isso que foi 2012, uma corrida que talvez não tenha sido contra o tempo e sim, contra mim. Um aprendizado de valores mentais, compreensão ao lidar com o psicológico nato e exercitar o mesmo pra saber a direção certa nos próximos anos, que esses sempre são mais difíceis que os anteriores.

Um comentário:

  1. Acho que por mais que pensamos sempre na hora de escrever, assim uma sintese de um ano, falar sempre falta palavras e nunca sai da forma como a gente deseja/desejava, bem quero te desejar um feliz ano novo, que 2013 seja cheio de coisas boas, e o maior prazer da vida e ver o quanto este lado da blogosfera faz com que conhecemos pessoas que escrevem das mais variadas formas, mas que no fim tem uma unica paixão o escrever, transmitir o que sente mesmo que seja de forma diferente!

    ResponderExcluir