27 de junho de 2010

Deslize.




Sentada numa mureta, eu consigo ver, eu começo a prestar atenção e ver aquela estrela, a única no céu e ela brilha e como brilha! Como uma lâmpada, mais bem mais intensa e enxergo-a muito grande, mais não com meus olhos e sim, com uma força que confusa.
Sinto como ela é sozinha no céu, assim como sou a única na terra. Ela me entende com a mais profunda sabedoria, ela sabe me confortar como sabe me fazer rir e então com os rostos molhados a reparo, vejo por fim ao chão, um gato marrom mesclado de partes brancas, passeando e confusa, reparo que ele está sozinho. Então penso: "Não sou a única no mundo, a outros sozinhos e sou igual a eles, sou igual a todos, mas todos sozinhos e temos algo em comum: sentimos repugnância e tristeza de nosso mundo, nós só queremos um minuto de paz e silencio para nos confortar e tentar esquecer de todos nossos problemas que nos fazem chorar e então tentar seguir a diante".
Agora nesse momento sentada nessa mureta, sei que um deslize meu e posso cair ao chão, e como no poema de Alphonsus de Guimaraens, Ismália :

"As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar..."

E assim termino este texto, e tento deixar um ponto de exclamação em suas cabeças, e queridos leitores, não me vejam mal, eu só clamo por paz no meio de tanta confusão.

6 comentários:

  1. Quem não procura a paz?! Todos queremos isso. Mas eu acho que nem sempre nós vamos encotrar a paz sozinhos. Podemos muito bem encontrar a paz ao lado de quem amamos.

    ResponderExcluir
  2. Lindoo e todos nós queremos paz :D'

    ResponderExcluir
  3. Achei simplesmente lindo. Gostei das palavras usadas. Ficou legal e sem melodrama^^

    ResponderExcluir